Produzindo com Conforto

No Brasil e em muitos outros países, diversos administradores de empresas e seus gestores acreditam ser excludente do ambiente laboral o termo conforto. Para estes, possibilitar condições de conforto para os trabalhadores realizarem suas tarefas é um custo que não traz benefícios às empresas.

Como contraponto a esta crença, tomando para análise apenas a “produtividade”, já que esta e a redução de custos de produção são os principais fatores considerados em nosso meio empresarial, vamos considerar as seguintes situações:

1. na postura em pé, digitar dados em um computador durante 2 minutos, ou 15 minutos ou, talvez, durante 1 hora;

2. digitar dados ou elaborar relatórios em um computador numa sala bem iluminada, ou em uma sala com pouca iluminação ou quem sabe em uma sala com o sol “batendo” diretamente no monitor;

3. afrouxar ou apertar parafusos utilizando um chave de fenda com pequeno comprimento, ou com uma chave de fenda longa ou, ainda, com uma aparafusadeira elétrica ou pneumática;

Se ponderarmos em quais situações o trabalhador irá produzir mais, veremos que ambiente de trabalho, o processo em que estão inseridas as tarefas e os meios disponibilizados para sua realização, afetam a produtividade.

Claro que sempre faz-se necessário avaliar o custo x benefício da implantação de qualquer melhoria nos processos laborais. Para isso, a Ergonomia é indispensável para a definição dos investimentos, e não custos, na melhoria dos ambientes, processos, máquinas e equipamentos e na organização do trabalho.

Para saber um pouco mais, disponibilizamos uma apresentação: Produzindo com Conforto